Blog do Cabral Jornalismo Diferente

Vereador Chico Estrella publica nota pela morte do jornalista Juca Nunes Neto

Nota de lembrança e gratidão ao amigo Juca Nunes Neto

Foi com profundo pesar que recebi logo após a Sessão Itinerante da Câmara Municipal, a notícia do falecimento de “Juca” Nunes Neto, na noite desta quarta-feira (06/10), na cidade de Itiruçu, sua terra natal. Ao tomar conhecimento, ainda no Distrito do Iguá, fui tomado por dois sentimentos: um de angústia, por sua inesperada e tão precoce partida, e outro, da admiração entre as lembranças de inúmeras conversas, debates políticos, sociais, administrativos e ate as resenhas junto ao amigo querido.

A irreparável perda do jornalista Juca Nunes Neto, também administrador, graduado pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), campus de Vitória da Conquista, deixa uma lacuna na comunicação e no amplo contexto do diálogo sócio-político. Juca com sua opinião sempre forte e contundente, se impunha pela sinceridade, seriedade e força com que defendia o que pensava e sentia e se consolidava pelo respeito das pessoas às suas características.

Sentiremos saudades de suas participações polêmicas em tantos de grupos de Whatsapp e até das exageradas defesas do presidente Jair Messias Bolsonaro. Ficam entre nós, além de sua memória, a referência de que um homem vale o que pensa e defende publicamente.

O Céu ganha um homem sincero, inegociável, honesto, conservador convincente, cristão, católico praticante e que só faltou ser flamenguista, já que o Vasco da Gama tem uma arquibancada tão pequena por lá. Lá, tenho certeza, ele dará boas risadas ao ler esta Nota de lembrança e gratidão.

Vá em paz meu amigo.

Chico Estrella

Em José Gonçalves, Chico Estrela recebe reconhecimento da comunidade e agradece apoio da prefeita

Líder da Prefeita comemora instalação dos refletores do campo de José Gonçalves

Na noite desta quarta-feira (23/09) o líder da prefeita Sheila Lemos, vereador Chico Estrela, foi recebido por jovens, populares e desportistas de José Gonçalves no campo de futebol da localidade – AGORA TOTALMENTE ILUMINADO – onde recebeu inúmeras manifestações de gratidão.

É que ainda em 2020, Chico Estrela, ao saber de um TAC – Termo de Ajustamento de Conduta, que é um instrumento de solução extrajudicial de conflitos de iniciativa de órgãos públicos, firmado entre Ministério Público e Prefeitura Municipal tomou a iniciativa de mobilizar esforços para instalar a tão sonhada e esperada iluminação do campo de futebol da sede do Distrito.

Chico localizou um empresário, que apontou parte do material objeto do Termo, guardado há quase 01 ano na residência de determinada pessoa. “Aí eu descobri que esse material estava parado e segundo documento, Termo de Ajustamento de Conduta, o empresário compraria o material e a prefeitura faria a instalação dos refletores, bem como a ligação dos mesmos, o que não ocorreu”, explicou detalhadamente o vereador.

Estrela relata que, ainda em 2021, ele providenciou a instalação dos refletores, utilizando recursos próprios num valor que ultrapassa 10 mil reais, porém, nem assim a Prefeitura executou a ligação do equipamento de iluminação do campo. Período em que a comunidade reivindicou insistentemente a benfeitoria, sem a qual, nenhuma pratica esportiva ou de entretenimento era possível durante a noite.

Foi quando conseguimos articular com o governo atual, e com o apoio total da nossa prefeita Sheila Lemos Andrade e do secretário municipal Marcelo Melo que, de modo comprometido e competente, a quem eu agradeço, agilizou o que era necessário para a gente pudesse ligar os refletores do campo do Guigó.

O resultado disso é a alegria trazida pela nova alternativa de entretenimento no maior Distrito da cidade e a recusa da comunidade ao receber pelas redes sociais e grupos de whatsapp mensagens  de outro vereador, com foto do campo iluminado, de modo constrangedor e antiético, tentando enganar o Distrito e apresentando a obra como se fosse sua realização. Por isso, parte da comunidade se reuniu nesta noite para receber o vereador e reafirmar sua gratidão pela obra, cuja inauguração oficial, já está marcada para o dia 03 de outubro, com a presença da prefeita Sheila Lemos Andrade.

 

Veja abaixo galeria de fotos:

Prefeita de bem com o servidor municipal! Salário adiantado!

Governo Municipal paga salário de servidores adiantado nesta sexta-feira com reajuste

 

A Secretaria Municipal de Administração (Semad) informa que os salários dos servidores da Prefeitura de Vitória da Conquista estarão nas contas nesta sexta-feira (23). Este mês, além do salário adiantado, começa a pagar o reajuste de 4,52% e o interstício da tabela salarial, sancionados pela prefeita Sheila Lemos no mês passado.

Segundo o secretário de Administração, Kairan Rocha, a previsão era a liberação do pagamento na terça-feira (28), mas a prefeita Sheila Lemos orientou pela antecipação, considerando que os servidores estão na expectativa de receber o reajuste acordado com os sindicatos há alguns meses.

“E assim, todos poderão ter um final de semana mais tranquilo com dinheiro na conta, sabendo que podem contar com o salário para suas despesas mensais mais cedo”, comentou Kairan.

Além do salário de setembro, já reajustado, serão pagas duas parcelas retroativas, dos meses de maio e junho. Outras duas parcelas, referentes a julho e agosto, sairão junto com o salário de outubro. Os servidores da Educação, pagos com recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), receberão o reajuste retroativo em parcela única, também este mês

Este mês, o total da folha de pagamento é de R$ 36.999.970,18, superior à de agosto, que foi de R$ 29.080.294,53, um incremento de quase R$ 8 milhões, o que significa, também, uma boa injeção de recursos na economia local.

Governo Municipal e Casa do Amor discutem projeto da Política Municipal de Cuidados Paliativos

 

Na manhã desta quinta-feira (23), a prefeita Sheila Lemos, acompanhada da secretária de Saúde, Ramona Cerqueira, conheceu o projeto de implantação da Política Municipal de Cuidados Paliativos, apresentado pela diretoria da Casa do Amor, tendo à frente sua fundadora e administradora, Maria do Carmo Cândido, mais conhecida como Carminha. A Casa do Amor é uma instituição filantrópica que cuida de pacientes em tratamento de câncer em Vitória da Conquista.

A proposta da Casa do Amor é unir esforços com o Município e o Governo do Estado para oferecer na rede SUS cuidados paliativos para pacientes com câncer. Esses cuidados envolvem uma perspectiva multidisciplinar, buscando a melhoria da qualidade de vida dos pacientes e seus familiares, em casos de doenças que ameacem a vida. Isso, de acordo com o projeto, passa pela identificação precoce, prevenção e alívio do sofrimento, tratamento da dor e naturalização do processo da morte.

A prefeita Sheila Lemos elogiou a iniciativa, e confirmou o interesse do Governo Municipal em viabilizar. “Um projeto belíssimo, que iremos estudar a melhor forma possível para viabilizá-lo. Conheço o excelente trabalho da Casa do Amor e não tenho dúvidas de que será extremamente enriquecedor unir nossas forças para dar melhor assistência e dignidade aos pacientes com câncer”, enfatizou a gestora.


O médico Franklin Santana, que é voluntário na Casa do Amor e coordenador da Comissão de Cuidados Paliativos da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), falou sobre os importantes resultados que essa parceria poderá oferecer à população: “De tal maneira que o munícipe ou o usuário da Rede SUS de Vitória da Conquista possa ter uma rede de apoio e de assistência, onde ele possa ser cuidado em doenças que ameacem a sua vida, de forma mais completa, olhando seus aspectos psíquicos, sociais, espirituais e físicos, que é o que a Organização Mundial da Saúde preconiza”, explicou o médico.

A secretária Ramona Cerqueira lembrou que o Município tem um contrato com o Hospital Samur, desde 2017, para tratamento de pacientes com câncer, a Unacon. Para ela, a proposta da Política de Cuidados Paliativos vem ao encontro do atual trabalho do órgão. “Estamos ajustando a rede para que a Atenção Básica receba esses pacientes o mais precocemente possível, para que a gente trabalhe com um diagnóstico mais precoce a ponto de cuidar desse paciente da melhor forma possível”, declarou.

Também participaram da reunião o assessor especial do Gabinete Civil, Marcelo Melo, o advogado Osmar Abreu Santos e o médico Douglas Leandro Matos, voluntários da instituição.

Sinserv 2021 l Ano de conquistas para secretários e auxiliares escolares!

Em Assembleia no Sinserv categoria agradece e prestigia secretário municipal de Educação e equipe

 

Quem foi à Assembleia Ordinária dos secretários e auxiliares escolares promovida pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais na tarde desta quarta-feira (22/09), testemunhou um enorme avanço no diálogo e relações entre a Secretaria Municipal de Educação e os servidores lotados no setor.

Frente a frente com a classe, os titulares da pasta, professor doutor Edgard Larry e a professora Selma Maria Oliveira, além de Alisson Roberto Sá e Carmen Silvia Freitas, coordenadores de Gestão de Pessoas e do Núcleo de Legalização Escolar/Estatística/Sistema Presença, respectivamente, ouviram os agradecimentos de um auditório repleto de servidoras contempladas com o Incentivo para Secretários Escolares e Auxiliares, já pago a partir da folha de agosto.

O ato é o primeiro passo na pauta da Campanha Salarial 2022 e abre a discussão do aumento do incentivo de secretários e auxiliares para o ano vindouro. “O Sinserv é uma gestão de reivindicações e conquistas continuadas“, destacou a presidente Lúcia Chagas, ressaltando que “a pauta da Campanha Salarial de 2022 já começa a ser apresentada e discutida aqui e vai avançar”.

Foi um prazer participar dessa assembleia e saber que, em 21 anos que eu tenho de prefeitura, nunca tive oportunidade de ver a equipe do governo participar de uma assembleia com a gente, tão aberta, onde estava presente gerente de RH da Smed, gerente de legalização e todo mundo no mesmo nível. Todo mundo falando e ouvindo”, manifestou-se, grata, a secretária escolar Gildete Andrade, lotada na Creche Pedro Emílio.

Afastada há 10 anos das ações entre sindicato e servidor, ela admitiu a melhoria na gestão do Sinserv, o avanço nas conquistas da Educação, ressaltando o empenho da gestão Lúcia Chagas e anunciando seu retorno à luta nas ações sindicais pela categoria.

É uma grande satisfação estar aqui nessa assembleia promovida pelo Sinserv e falar com a própria categoria, no caso, diretamente com os servidores, num evento dessa natureza, principalmente relacionado a um secretário e auxiliar escolar, porque é lá no chão de fábrica que as coisas devem acontecer de forma adequada, de forma correta, e que a Educação nossa possa ser bem desenvolvida“, falou em seu pronunciamento, o secretário Edgard Larry.

Larry destacou, ainda,  que “os secretários e auxiliares tem toda dedicação e são os verdadeiros lutadores, são as pessoas q estão lá na ponta, realizando um trabalho de abnegação e contínuo de educação, dando um suporte importantíssimo, dando fluidez ao processo educativo“, reafirmando o compromisso do governo Sheila Lemos Andrade e da Smed com a categoria: “a Prefeitura e Secretaria Municipal de Educação está atenta a isso, junto ao sindicato Sinserv, a quem parabenizamos por esta preocupação e cuidado, e assim, estaremos valorizando esses profissionais, continuando o diálogo, a discussão e o atendimento às questões inerentes destas categorias”.

Por fim, a dirigente Lúcia Chagas, adiantou a informação de que “existe o estudo e uma solicitação do Sinserv junto a administração para avaliar o percentual de incentivo do secretário e, a partir de 2022, aplicar o mesmo proporcional pago atualmente aos diretores escolares”.

“O Governo Sheila Lemos inaugura um novo modelo de gestão em Conquista”, declara Chico Estrella

Imagem “O Governo Sheila Lemos inaugura um novo modelo de gestão em Conquista”, declara Chico Estrella

Durante a Sessão Ordinária desta quarta-feira (22), realizada na Câmara Municipal de Vitória da Conquista, o vereador Chico Estrella (PTC) parabenizou a prefeita Sheila Lemos (DEM) pela condução da nova política em Vitória da Conquista. “O governo Sheila Lemos inaugura um novo modelo de gestão em Conquista. Apesar do pouco tempo de mandato, ela tem feito um volume de obras nesta cidade que só víamos em ano de eleição, e tem feito isso com um diálogo permanente com os vereadores. Parabéns, prefeita Sheila Lemos, por esse novo modelo de governar”, afirmou Chico.

O vereador falou também sobre a Embasa, ressaltando a nomeação do novo gerente regional. “Não acredito que um jovem vindo lá de Itamaraju tenha condições de atender as demandas de Conquista e região. Veio indicado por Robinho e só foi removido porque Robinho não reza mais na cartilha do governador”, criticou.

Chico afirmou também que Vitória da Conquista tem nomes suficientes para assumir a gestão da Embasa. “Nossa cidade tem pessoas que doaram a vida a essa empresa, como Joselito, Kelly Galvão, Olímpio e tantos outros”, pontuou.

Centenário de Paulo Freire é festejado em audiência pública na Câmara de Vereadores

Um dos brasileiros mais festejados nas áreas acadêmica e das políticas públicas, dentro e fora do Brasil, completaria 100 anos no dia 19 de setembro. Paulo Freire inovou com seus métodos de alfabetização e reflexões sobre o papel da educação para o desenvolvimento pleno do indivíduo. Sua obra segue sendo estudada, citada e utilizada em práticas educacionais em todo o mundo. O seu centenário foi festejado pela Câmara de Vereadores numa audiência pública ocorrida na noite dessa terça-feira, 21. A iniciativa foi proposta pela vereadora Viviane Sampaio (PT).

Natural de Recife, Pernambuco, Freire foi exilado político, perseguido pela Ditadura Militar, esteve na fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), participou do governo de Luiza Erundina na prefeitura de São Paulo, na pasta de Educação, e, sobretudo, produziu uma extensa obra sobre educação que permanece viva como objeto de estudos científicos e também base para políticas públicas de educação. Paulo Freire faleceu em dois de maio de 1997.

Segundo Viviane Sampaio, “hoje é um dia de celebração, mas também de defesa de um nome, de uma história e de um legado. O educador Paulo Freire dedicou sua vida à educação e se tornou conhecido mundialmente graças à sua luta e sua entrega”. A parlamentar destacou a longevidade da memória do educador. “Paulo Freire vive! Mais que uma memória e um conjunto de livros, seu legado está estampado em cada escola brasileira, seja ela de qual nível for, pública ou particular, estadual, municipal ou federal”, afirmou.

Durante a audiência, foi exibido um vídeo com falas de Freire e também depoimentos sobre educador e um outro material produzido e apresentado pela atriz e professora Adriana Amorim. Participaram da audiência: o Reitor da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), Luiz Otávio Magalhães; a representante do Núcleo Pedagógico da Secretaria Municipal de Educação, Guacyra Costa; o presidente do Conselho Municipal de Educação, Marco Vinícius Pires; a professora do município e presidente do Simmp, Elenilda Ramos; o diretor regional da APLB Sindicato, César Nolasco; a estudante e vice-presidente da União dos Estudantes da Bahia UEB), Larice Ribeiro; o professor da Uesb e pesquisador da obra de Paulo Freire, José Jackson Reis; a pedagoga, professora da Uesb e coordenadora do Fórum Municipal de Educação, Talamira Brito; além dos vereadores Chico Estrella (PTC), Líder do Governo, e Alexandre Xandó (PT).

Freire deixou um legado estampado na educação brasileira – Marco Vinícius Pires afirmou que na perspectiva freiriana, a educação é vista como uma ferramenta de transformação da sociedade porque possibilita ao cidadão se tornar mais crítico e atuante sobre a própria realidade. O conselheiro citou a Constituição Federal, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) para ressaltar a educação como um direito de todos e dever da sociedade. Para ele, a sociedade tem a missão de garantir educação de qualidade e professores capacitados. Pires frisou que Freire deixou um legado estampado na educação brasileira e parabenizou a vereadora Viviane pela iniciativa da audiência.

Em Freire, educação vai além da transmissão de saberes – Elenilda Ramos afirmou que “Paulo Freire foi um grande homem”. Ela ressaltou que para o aprendizado freiriano não pode faltar ao professor consciência de classe e compromisso social. Nesse sentido, a sindicalista apontou que a educação vai além da transmissão de saberes e os educadores são também responsáveis por transformar a realidade. Ela explicou que em sua prática pedagógica procura aplicar as ideias de Freire, entre elas o respeito à bagagem cultural do educando e a necessidade de estabelecer uma relação solidária entre professor e aluno.

Trabalho de Freire é voltado para a população mais vulnerável – César Nolasco também parabenizou a vereadora Viviane pela audiência. Ele disse que Paulo Freire é uma referência para a sociedade brasileira e para a educação no mundo. O professor frisou o fato de o educador ser bastante conhecido e estudado fora do Brasil. Nolasco observou o fato de o trabalho de Freire estar voltado para a população mais vulnerável, aquela com mais dificuldades de acesso à escola. Ele advertiu que o analfabetismo ou baixa escolaridade geram desemprego e subempregos, ao passo que a educação fornece as ferramentas para que os indivíduos transformem a sociedade para melhor. Para o sindicalista, a Ditadura Militar, instaurada em 1964, quebrou um ciclo de desenvolvimento que poderia ter revolucionado a educação brasileira.

“O ato pedagógico é também um ato de amor” – O vereador Alexandre Xandó (PT) leu um cordel de Tributo a Paulo Freire, de Juarês Alencar Pereira, e destacou um aprendizado freiriano – a educação como ato político. Para ele, a própria realização da audiência é um ato político e pedagógico, especialmente diante da resistência de um vereador em aprovar o evento. Xandó frisou que sua trajetória de aluno e agora de professor universitário segue a linha de Paulo Freire, obra na qual mergulhou. “O ato pedagógico é também um ato de amor”, disse.

Em sua fala, o vereador destacou que a vasta obra de Freire é estudada em vários locais do mundo e que o educador recebeu 41 títulos de honoris causa. Para Xandó, Freire é um exemplo de coerência entre obra e atuação. Ele lembrou que o educador ocupou cargo na gestão da prefeita Luiza Erundina, em São Paulo, na pasta de Educação, e lutou pela valorização dos professores. “Paulo freire fez da sua obra um ato insurrecional”, falou.

Discutir obra de Freire é fundamental neste momento – Larice Ribeiro trouxe um texto de Carlos Marighella, militante comunista, deputado eleito, morto pela Ditadura Militar. Ela falou da reflexão sobre a obra de Freire sendo estudante de Ciências Sociais, na Uesb, e se preparando para se tornar professora. Para Larice é importante discutir a obra do educador, especialmente num contexto de barbárie, caos e precarização da educação brasileira. Ela ainda citou Darcy Ribeiro, cientista social, para o qual a crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto. A estudante ainda questionou “por que incomoda tanto o pensamento crítico?” ao falar dos ataques que Freire vem sofrendo por segmentos da extrema direita da política brasileira.

Êxito na alfabetização de adultos fez de Freire alvo dos militares – O professor e pesquisador José Jackson Reis apresentou um relato sobre a biografia de Paulo Freire, como os impactos da perseguição imposta pela Ditadura Militar, em destaque o sentimento de silenciamento vivenciado pelo educador. José Jackson também relatou trechos de depoimento de Elza Freire, primeira esposa de Paulo, entre eles a que ela fala que sentia não retornaria do exílio imposto pelos militares. O professor avalia que a experiência exitosa de Freire no Plano Nacional de Alfabetização, na década de 1960, o levou a ser considerado um subversivo perigoso pelos militares. “Ele passou mais de 70 dias preso, porque lutou para alfabetizar, criticamente, pessoas adultas no Nordeste brasileiro e desejava continuar esse processo em todo o país”, afirmou.

Em sua fala, o pesquisador apontou que a obra “A Pedagogia do Oprimido” está entre os cem primeiros livros mais consultados no banco de dados “The Open Syllabus Project”, que inclui mais de um milhão de programas de universidades de língua inglesa dos últimos dez anos. Já no Google Scholar, a obra é, no mundo inteiro, a terceira mais citada no campo das ciências sociais. São dados que José Jackson apresentou para demonstrar o alcance do pensamento do autor.

Freire esteve em Vitória da Conquista, em 1983, tendo sido entrevistado pelos professores José Duarte, Zé Raimundo e Elias Dourado, para uma revista da Universidade Estadual da Bahia (Uneb). João pondera que “Paulo pensava as realidades, os desafios do seu tempo presente e as possibilidades de superar tais desafios, refletindo, criticamente, as práticas, a sua própria vida. É um autor e intelectual do povo, com povo. Por ele e com ele lutou”. Para o pesquisador, a audiência “é ato de resistência, de (re)existência, de esperançar como atitude de luta cotidiana”.

Freire foi um educador do amor – Guacyra Costa afirmou estar feliz em fazer parte da homenagem ao patrono da educação brasileira. Ela frisou que ser educador numa perspectiva progressista é aprender a conviver com as diferenças e estimular a amorosidade aos educandos, numa práxis da amorosidade. A educadora avalia que Freire “transformou a educação numa estratégia de mudanças, valorizando a alfabetização como direito de todos”. Pela sua obra, Freire deu voz aos oprimidos, “motivos que nos fazem lembrá-lo como o homem do amor”. “Narrar as suas nuances existenciais e viver o seu dia, talvez, seja a forma mais precisa de lhe atribuir o devido valor e festejar a vida, mesmo vivendo tempos nefastos, disse.

Origem das críticas a Paulo Freire – Luiz Otávio Magalhães, Reitor da Uesb, destacou que Paulo Freire é, possivelmente, o intelectual brasileiro de maior impacto no país e no mundo. É o mais condecorado e citado, sendo referência para o pensamento educacional e também para a área das políticas públicas de educação. O Reitor refletiu sobre o fato de Freire, apesar de ser quase uma unanimidade acadêmica, é também uma figura que incomoda variadas pessoas, em ambientes diferentes.

Otávio explica que Freire “não gostava de coisas mal esclarecidas” e que para ele, o pensamento crítico era central, o que o levou a uma vida de coerência entre o que defendia e as suas práticas. O Reitor ainda lembrou que um dos motivos de críticas ao educador é o fato de ele ter sido filiado ao Partido dos Trabalhadores, sigla que ajudou a fundar no início dos anos 1980 e também na qual ocupou funções.

Para Luiz Otávio, Freire “poderia ter sido qualquer coisa, menos um doutrinador”, porque a maneira como ele pensava a educação exigia uma reflexão sobre os seres humanos e suas relações com e sobre o mundo. Freire entendia que existem limites para o pleno desenvolvimento da pessoa. Sendo assim, é preciso conhecer a realidade na qual educador e educando estão inseridos e atuar de forma crítica sobre os limites impostos por essas realidades. Otávio explicou que Freire se importava com as revoluções provocadas nos indivíduos por meio da educação, na forma deles se relacionarem com o mundo. “A educação muda as pessoas de várias maneiras”, falou.

Em síntese, o Reitor frisou que a ideia de uma educação para o desenvolvimento pleno da pessoa contida na Constituição Federal é um pensamento freiriano. E que este está presente em muitas escolas, universidades e outros espaços de aprendizagem, assim como ideias contrárias as de Freire. Para Otávio, as práticas sociais e políticas públicas que respeitam o indivíduo, sua realidade, e possibilitam ferramentas de emancipação propostas por Freire fizeram dele um inimigo da Ditadura Militar, um inimigo do sistema. Freire defendia “fornecer para as pessoas régua e compasso como diz Gilberto Gil”.

Freire perpassa toda trajetória na educação – Talamira Brito, coordenadora do Fórum Municipal de Educação, relatou a própria biografia, ressaltando a importância de Paulo Freire na sua formação em Pedagogia e no desenvolvimento de sua trajetória na área da educação. Ela frisou que além de uma contribuição para sua formação, Freire a levou a se perceber como mulher, negra, de classe trabalhadora e sobre as dificuldades que enfrentou para ingressar num curso superior de baixa concorrência não pelo amor à Pedagogia, mas pela estrutura social e econômica que limita ou impede oportunidades à população empobrecida.

Em sua fala, a coordenadora informou que será realizada uma Conferência Municipal de Educação, nos dias 29 e 30 de novembro.

Críticas a Freire são fruto de radicalização política – O vereador Chico Estrella (PTC), Líder do Governo, parabenizou Sheila Lemos (DEM) pelo convite a Edgard Larry para ocupar a pasta da Educação, diante dos compromissos da área. Estrella parabenizou a vereadora Viviane pela iniciativa em homenagear o “ícone Paulo Freire”. Ele destacou o método de Freire que alfabetizou milhares de pessoas. O vereador também criticou a radicalização na política. “Esquerda e direita, hoje, em nosso país, só existem em placa de trânsito”, falou.

Estrella lamentou as críticas destinadas a Freire, inclusive com palavras de baixo calão. Ele avalia que são fruto dessa radicalização. O vereador afirmou que gostaria de votar em nomes que não fazem parte da radicalização política. Estrella criticou o caráter opinativo da imprensa. Para ele, o setor deve apenas noticiar. “Imprensa vendida, comprada, é muito prejudicial”, falou. O edil finalizou lembrando uma frase de Paulo Freire: “Quando a educação não é libertadora o sonho do oprimido é opressor”.

Nota de Pesar: Câmara lamenta morte de Dona Sônia, esposa de Hélio Ribeiro

A Câmara Municipal de Vitória da Conquista, por meio do presidente Luís Carlos Dudé (MDB) e dos demais vereadores, manifesta profundo pesar pela morte de Dona Sônia Barreto Ribeiro Santos, aos 77 anos, esposa do ex-prefeito Hélio Ribeiro Santos.

Dona Sônia faleceu na noite desta segunda-feira (20), após complicações de saúde. Ela deixa esposo e quatro filhos: Sonely, Natália, Fernanda e Leonardo, além de seis netos, genros e nora.

Neste momento de dor, o Poder Legislativo se solidariza com Hélio Ribeiro, demais familiares e amigos de Dona Sônia.

 

AUDIÊNCIA PÚBLICA: Vereadores, Governo Municipal e população discutem demandas da Zona Rural

A semana começou na Câmara Municipal de Vitória da Conquista (CMVC), com uma importante discussão: as demandas da Zona Rural do município. Durante a audiência pública, que contou com a participação da população e de representantes do poder público, foram discutidos a crise hídrica que tem atingido o município, a manutenção de aguadas, açudes e patrolamento das estradas vicinais.

O vereador Edjaime Rosa Bibia (MDB), autor do requerimento da audiência pública e membro da Comissão de Agricultura, destacou que a extensão da Zona Rural aumenta as dificuldades na resolução dos problemas da população do campo. “A Zona Rural de Conquista é de um imenso tamanho, nós temos um semiárido muito grande”, apontou. “Fica muito difícil de resolver o problema de água. As máquinas, a mesma coisa”, disse o parlamentar, referindo-se também à manutenção das estradas.

Ainda em seu pronunciamento, Bibia garantiu que o Governo Municipal está atuando para entregar as escrituras a famílias assentadas da Zona Rural. “As pessoas que estão assentadas em Vitória da Conquista, tenham esperanças que nós vamos trabalhar para que as escrituras sejam entregues”, anunciou.

Agricultura precisa de mais recursos – O secretário de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Murilo Mármore, afirmou que ao ser convidado pelo ex-prefeito Herzem Gusmão para a pasta explicou que resolver a situação do abastecimento de água na Zona Rural era crucial. Ele defendeu a ampliação das fontes de água e criticou a “indústria da seca” porque para ele poderiam ter sido construídas barragens e outras estruturas para o combate à seca.

Em sua fala, o secretário disse que há um ano o município vem enfrentado a estiagem. Mármore ressaltou que a situação piorou porque o Exército havia encerrado as atividades da Operação Carro-Pipa – 37 veículos deixaram de operar no município. Ele explicou que a Defesa Civil tem retomado o trabalho dos carros. Já são 13, além dos contratados pela gestão municipal. “Mas isso é muito pouco”, disparou. Mármore defende a necessidade de ampliar os recursos para a sua pasta e pediu que os vereadores destinem mais verbas para a agricultura no Orçamento Municipal de 2022.

O secretário relatou que a pasta atua em parceria com outros setores, como Serviços Públicos, mas que os desafios são grandes porque a Zona Rural é bastante extensa. Ele afirmou que a prefeita Sheila Lemos (DEM) é sensível ao problema e tem buscado soluções para resolver o desabastecimento de água.

Sementes crioulas – O subprefeito de Inhobim, Osmário Lacerda, defendeu que a população rural possa receber um investimento para construção de um banco de sementes crioulas. “Nós precisamos ir até Brasília. Lá tem recursos. Se a gente marcar uma audiência com o Ministro da Agricultura, a gente vai conseguir recursos para a Zona Rural”, disse Osmário, reconhecendo que o município não tem os recursos e apontando que o caminho para recebê-los é através do Governo Federal e criar a “Casa das Sementes da Zona Rural”.

Lacerda parabenizou o serviço realizado na distribuição de água. “Água é vida. Eu quero agradecer a Joana D’Arc pelo excelente trabalho que ela está fazendo junto com a Defesa Civil. A água está sendo distribuída da maneira certa”, disse ele. Osmário apontou ainda que o trabalho nas estradas da Zona Rural está sendo bem feito. “Estamos fazendo um excelente trabalho nas estradas, de encascalhamento, patrolamento”, avaliou.

Agricultura familiar precisa de valorização – O representante do Sindicato da Agricultura Familiar de Vitória da Conquista, Júnior Figueiredo, afirmou que “pra seca só existe um caminho: criar meios de se conviver com ela”. De acordo com o sindicalista, limpeza de estradas e carro-pipa são medidas emergenciais. Ele frisou que é necessário avançar para um planejamento no qual a agricultura familiar seja prioridade. Júnior ainda criticou o agronegócio e a bancada ruralista no Congresso Nacional, que estaria impedindo ações para a agricultura familiar. “É quem manda em tudo no campo, infelizmente essa é a realidade”, disse.

Dificuldades no abastecimento de água na Zona Rural – Representando a Defesa Civil, David Ribeiro apontou que a estrutura de abastecimento hídrico da Zona Rural sofreu grandes baixas. “Nós tínhamos, até março de 2017, 37 carros da operação Pipa do Governo Federal. Inadvertidamente, o Governo Federal cortou esses 37 carros, caindo para 16”, lamentou ele.

David explicou ainda que a alta dos preços dos combustíveis fez com que alguns proprietários de caminhões-pipa pedissem o cancelamento do contrato, reduzindo ainda mais o número de veículos atuando na operação. “Hoje, a realidade da Operação Federal de 13 carros”, detalhou.

Faltou políticas no passado que impedissem a grave crise – A coordenadora de Abastecimento da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Joana D’Arc, afirmou que faltou planejamento e políticas públicas no passado que impedissem a grave crise de desabastecimento de água que a Zona Rural vivencia hoje. Joana disse que lençóis, barragens e cisternas secaram e que os maiores povoados estão “sem uma gota de água”.

Joana pediu o apoio da Câmara para a articulação de recursos para o combate à seca. Ela ressaltou que a prefeita Sheila Lemos tem ido a Brasília, Salvador e conversado com os vereadores pra resolver a situação da seca, assim como a secretaria. “A gente tem trabalhado de forma incansável”, falou. Joana apresentou dados da coordenação no mês de agosto: manutenção de 45 sistemas de água, atendimento de 1.506 famílias, 502 viagens de carro-pipa e quase cinco milhões de litros cúbicos de água disponibilizados.

Apoio do Governo Estadual na oferta de água – O subprefeito de Bate Pé, Edilson Gusmão, cobrou apoio do Governo Estadual para otimizar a oferta de água. “Nossos amigos vereadores ligados ao Governo do Estado, eu preciso captar água dentro de Bate-Pé, onde a gente tem um reservatório de 300 mil litros e outro de 100 na Jurema. Se isso for feito, nós iremos agilizar muito mais o abastecimento daqueles moradores que não têm acesso à água da Embasa”, disse ele, pedindo aos vereadores que busquem verbas junto ao Governo Estadual.

De acordo com Gusmão, o Município já faz o máximo possível. “Nós temos feito o máximo para poder atender da forma melhor possível”, apontou.

Falta de água é um problema grave e está se tornando mundial – O vereador Adinilson Pereira (MDB), presidente da Comissão de Agricultura, pediu a união de governos e de parlamentares para a articulação de recursos e projetos para a Zona Rural. Ele avalia que o momento é bastante grave e requer uma frente coletiva para levar soluções para a população. Pereira falou da situação de poços e lençóis, como na região de Lagoa das Flores. Segundo o parlamentar, anos atrás se encontrava água em escavações de cerca de três metros. Atualmente, escavações de poços de mais de 200 metros de profundidade não têm encontrado água. Pereira alertou que a seca é um problema mundial e é urgente a execução de ações de responsabilidade com a preservação do meio ambiente.

Em sua fala, o vereador ressaltou a necessidade de dar celeridade à implantação de poços artesianos, bem como a fiscalização sobre a situação desses equipamentos. Ele ainda pediu a valorização dos agricultores. Adinilson falou da necessidade de os pequenos produtores se organizarem juridicamente. Adinilson falou que a sugestão veio da prefeita Sheila Lemos ao ser interrogada sobre a não participação de produtores de Lagoa das Flores nos processos de compra da prefeitura. O edil ainda sugeriu, por meio de indicação, que a gestão compre kits de máquinas para cada localidade para o serviço de limpeza e roçagem de estradas. Para Adinilson a audiência é um espaço importante para ouvir a população da Zona Rural.

“Muitos recursos estão sendo investidos na agricultura familiar” – Eduardo Castro, coordenador de Fomento à Agricultura Familiar, explicou que a Secretaria de Agricultura conta com uma equipe de cinco agrônomos, um técnico agrícola e um veterinário. Ele frisou que a pasta contava com poucos recursos. Em 2017, o orçamento para a assistência técnica era de R$ 5 mil. “As dificuldades iriam acontecer”, falou. Castro ressaltou que “muitos recursos estão sendo investidos na agricultura familiar”, como investimentos numa unidade de produção de mudas de umbu gigante. De acordo com o coordenador, mais de R$ 100 mil foram aplicados numa extensão de rede de água que beneficia a unidade e vai ampliar a produção de mudas.

Vereadores e moradores comentam problemas e apontam sugestões de melhorias para o campo

Poços de escolas desativadas devem ser utilizados – O vereador Nildo Freitas (PSC) defendeu que as escolas da Zona Rural que estão desativadas e possuem poços artesianos possam ceder o poço para serem utilizados no abastecimento da população da região. “Apresentamos aqui um Requerimento solicitando da SMED que faça um levantamento das escolas que estão desativadas na Zona Rural e que tenham poços artesianos para que esses poços possam ser utilizados para ajudar no abastecimento de água dessas localidades”, explicou. “Estive no Quatis do Fumaça. Tem uma escola desativada, existe um poço artesiano, existem os reservatórios. Esperamos que esses poços possam ter água para ajudar no abastecimento da população”, disse Nildo, que também cobrou melhorias nas estradas, inclusive para facilitar o envio dos caminhões pipas que estão atuando no abastecimento hídrico da Zona Rural.

Campo enfrenta muitos problemas, além da seca – César de Veredinha destacou que o subsolo de sua região é rico em água, mas é abastecido por carros-pipa. “Não é mais viável abrir poços artesianos do que pagar aluguel de carros-pipa? Eu acho que sim”, afirmou. Ele discorreu sobre outros problemas enfrentados pela população do campo: número insuficiente de bombas de água; ações de educação; assessoria técnica para a agricultura familiar entre outros. “Nós estamos esquecidos”, disse. Para Cesar, a Zona Rural só é lembrada nas eleições.

Santa Marta busca construção de ponte e asfaltamento de corredores de ônibus – Carlos Amaral (Carlinhos da Santa Marta), do Assentamento Santa Marta, falou da necessidade de construção de uma ponte na localidade, demanda antiga da população. Ele explicou que a prefeita Sheila Lemos autorizou a elaboração do projeto e o deputado federal João Bacelar (PL) destinou emenda parlamentar de R$ 500 mil para a obra. Carlinhos, como é conhecido, agradeceu ao secretário Murilo Mármore pelas ações de limpeza de barragens e frisou que a comunidade está em busca da construção de mais uma barragem. Ele ainda agradeceu a Nilo Coelho, que possui propriedade vizinha ao Santa Marta e que, há cerca de 30 anos, socorre os moradores em tempos de estiagem. Carlinhos afirmou que o Santa Marta está em busca também do asfaltamento dos corredores de ônibus da localidade.

Zona Rural ficou esquecida – O vereador Ricardo Babão (PCdoB) lamentou que a Zona Rural de Vitória da Conquista tenha ficado abandonada por quatro anos. “A Zona Rural foi abandonada por 4 anos. Quando eu vou à Zona Rural, os próprios moradores falam que a Zona Rural foi esquecida. Fui em uma região que tinha 5 anos que a máquina não passava”, disse Babão, apontando que agora a população está voltando a receber a atenção do governo.

Ele lembrou que nas gestões petistas, a atenção era permanente. “Políticas públicas sempre existiram para a Zona Rural de Vitória da Conquista. Quem mora na Zona Rural sabe o quanto foi feito”, disse. “De 2005 a 2006 foram feitas mais de 12 aguadas na região”, apontou.

Nascentes na região do Casulo morreram – Paulo Novaes, o popular Paulinho do Casulo, afirmou que a comunidade espera há 27 anos “a sua carta de alforria”, a regularização fundiária. Ele ressaltou que no ano de 2017, o ex-prefeito Herzem Gusmão iniciou o processo de regularização fundiária, incluindo os assentamentos, como o Casulo. Paulinho lembrou que é na região do Casulo que se situavam as nascentes de água Olho D’Água e Pedra Branca. “Perderam-se todos os seus leitos de água”, falou. Ele explicou que foi firmado um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) entre o Ministério Público e o município para a recuperação dessas áreas, mas nada foi feito em quase cinco anos.

Lista de demandas é grande – O vereador Alexandre Xandó (PT) apontou que as demandas da Zona Rural são variadas e urgentes, a exemplo da necessidade de melhorar a oferta de água e a qualidade das estradas e, ainda, a regularização fundiária de terras cujos trabalhadores ainda não possuem a documentação comprobatória da posse, além da coleta de lixo e assistência técnica aos trabalhadores da agricultura familiar. “O povo da Zona Rual merece respeito”, cobrou Xandó.

Falta reconhecimento – Eliana Pereira, do Assentamento Dandara, reclamou da ausência deles no projeto de regularização fundiária iniciado pelo ex-prefeito Herzem Gusmão. Ela frisou que o assentamento é de trabalhadores rurais e necessita de reconhecimento. “Nós também fazemos parte da economia de Vitória da Conquista”, afirmou.

Demandas antigas – O vereador Nelson de Vivi (DEM) destacou que a questão da água é uma demanda muito antiga e que também recebe recursos, mas ainda são insuficientes para atender as necessidades do homem do campo. Disse também que a solução está na abertura de grandes barragens, na finalização da Barragem do Rio Catolé e na construção urgente da Barragem do Rio Pardo, que há anos é prometida por vários governos, porém não sai do papel. “Conseguimos alguns açudes, limpeza de aguadas, vários poços artesianos e sistemas de água simplificados. Há uma grita agora por água, uma coisa básica do ser humano”, avaliou Nelson, e defendeu que a construção da Barragem do Rio Pardo vai resolver definitivamente a carência de água no município.

União para resolver problemas – O vereador Orlando Filho (PRTB) defendeu que haja união para resolver os problemas da Zona Rural, que são antigos. “São problemas antigos que a nossa cidade tem tido e certamente, com a unidade, conseguiremos minimizar as problemáticas de nosso povo da Zona Rural”, disse ele.

Orlando Filho disse ainda que tem percebido que algumas soluções estão sendo alcançadas. “Uma alegria com as soluções que temos conseguido atingir em meio a essa pandemia, na qual houve uma baixa na arrecadação do município”, disse o parlamentar, que colocou o seu mandato à disposição para auxiliar no que estiver ao seu alcance. “Nosso mandato está à disposição”, garantiu.

Convivência com a seca – O vereador Luciano Gomes (PCdoB), membro da Comissão de Agricultura, defendeu que sejam estabelecidas políticas públicas para a convivência com a seca e lembrou que defende essa pauta desde o primeiro dia de seu primeiro mandato como vereador. “A seca, nós temos que aprender a conviver com ela, porque ela vem todos os anos. Por isso que nós estamos encampando essa luta desde o primeiro dia do meu primeiro mandato”, disse Gomes.

Luciano reconheceu que o Governo Municipal tem trabalhado pela Zona Rural. “Nós notamos que as coisas estão fluindo na Zona Rural. Tem tratores nos quatro cantos do município”, admitiu ele, apontando ainda que o Governo do Estado também tem trabalhado área rural de Conquista. “Temos também que reconhecer o trabalho do Governo do Estado na Zona Rural”, disse ele, destacando a execução de sistemas simplificados, poços artesianos e limpeza de aguadas. “Aprovamos a concessão para a Embasa e garantimos 3% do faturamento para um fundo que será investido em Vitória da Conquista para ampliar o sistema de água”, adicionou Gomes.

Barragem do Rio Pardo é solução – Paulinho de Inhobim falou que a Zona Rural possui muitas dificuldades, nos distritos e povoados. Ele reafirmou que conhece bem a região e defendeu a construção da barragem do Rio Pardo. Em sua fala, Paulinho afirmou que a prefeita Sheila Lemos vem trabalhando pelo campo, antes mesmo de ocupar o cargo de gestora.

Conquistas são gradativas – Liomax Dias, o popular Peu de Veredinha, afirmou que a Zona Rural precisa ser mais ouvida. Peu frisou que se trata de uma área muito extensa e várias demandas. Ele avalia que, apesar dos problemas graves, o campo conquistou vitórias, como a instalação de três subprefeituras. Segundo Peu, a gestão de Sheila Lemos está de parabéns pelo trabalho no campo. Ele ainda sugeriu que sejam feitas audiências nos distritos e povoados.

Zona Rural extensa – O vereador Chico Estrella (PTC) ponderou que a Zona Rural de Vitória da Conquista é extensa, assim como a lista de problemas a serem solucionados, ao ponto de uma única audiência pública ser pouco para esgotar a temática. “Uma audiência pública para discutirmos os problemas da Zona Rural é muito pouco”, disse o parlamentar. Durante o seu discurso, ele se emocionou a falar do ex-prefeito Herzem Gusmão e ao receber um abraço do irmão de Herzem, Edilson Gusmão. “Era adversário político de Herzem, mas sempre respeitei a pessoa dele”, afirmou.

Conquista vacina adolescentes de 17 anos na segunda-feira e continua vacinando de 12 a 17 anos com comorbidades

E prossegue com a vacinação de 12 a 17 anos com comorbidades ou deficiência permanente, iniciada nesta sexta-feira (17), quando foram vacinados 222 adolescentes nesta condição.

Os adolescentes devem estar acompanhados dos pais ou responsável no momento da vacinação.

2ª e 3ª doses– Também continua a vacinação de 3ª dose para idosos e imunossuprimidos e de 2ª dose de Pfizer e Coronavac para quem tem retorno marcado para o dia 21 ou datas anteriores.

A Secretaria Municipal de Saúde divulgará locais e horários no site e nas redes sociais nas próximas horas.