Blog do Cabral Jornalismo Diferente

Viviane Gama perde duas vezes na justiça ao solicitar intervenção nas eleições do Simmp

O Juiz negou no dia 27 de outubro o pedido feito pela professora Viviane Almeida Gama, presidente da chapa 1, para intervenção nas eleições do Sindicato do Magistério Municipal Público de Vitória da Conquista (SIMMP) e, após tentativa de reconsideração, o pedido foi negado novamente.

A liminar solicita:

  • Destituição da Comissão Eleitoral
  • Destituição do Conselho Fiscal
  • Destituição da atual diretoria
  • Tornar todos os componentes da diretoria inelegíveis
  • Busca e apreensão de documentos do sindicato
  • Entre outros

O documento alega que o Edital 001/2020, que tem modelo utilizado em todas as eleições anteriores, é incompleto. Entretanto, o que normatiza a eleição do SIMMP é o Regimento Interno da Comissão Eleitoral. Querer destituir diretoria, comissão e conselho, que foram eleitos democraticamente, não seria um golpe no sindicato?

Toda a eleição foi amplamente divulgada. Esses ataques não atingem apenas a diretoria, são diretamente uma agressão à categoria. Como o documento expedido pela professora Viviane Gama diz que houve omissão e manipulação do processo eleitoral e ela mesma não é transparente com a categoria? E os profissionais idôneos que se deslocaram para votar nessa chapa e prestaram apoio, como ficam? Já causa estranheza uma filiada processar o próprio sindicato, estando candidata à presidência da entidade duplica o sentimento.

Judicializar as eleições sindicais só auxilia no projeto de destruição e perda de autonomia do SIMMP. Qual a intenção ao tentar golpear de forma tão brusca uma categoria que luta pela manutenção dos direitos, cumprimento da Constituição Federal de 1988 e pelo fortalecimento da democracia?

A democracia, então, só é válida quando é em favor e benefício próprio, porque quando a escolha é pelo oponente, ela já está errada. Um grande exemplo são as atitudes do atual presidente Bolsonaro, que, após ter sido eleito, as eleições já não eram mais fraudadas e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que, apesar de dizer que “não vai permitir que a corrupção roube as eleições”, pediu recontagem dos votos só nos estados em que perdeu e entrou na justiça para revogar o pleito.

A nossa categoria não pode ser mais um exemplo da falta de compreensão do que é uma verdadeira democracia, na qual quem ganha, eleito pelo povo, assume a função e quem perde apenas aceita e continua cumprindo seu papel ético e moral enquanto cidadão.

Confira a decisão:

Decisão

Fonte: SIMMP


Curta e Compartilhe.

Deixe um Cometário


Leia Também